A Menina do Véu Branco

Dizem que o bairro de Rio Doce, em Olinda, é cenário de uma macabra aparição. Pessoas contam que quando passam à noite pela ponte que leva o nome da localidade, notam uma moça usando um véu branco. Ela chora e chama pela mãe. há 45 anos, no mesmo local, um acidente que vitimou duas jovens.

Atualmente Rio Doce tem pouco mais 60 mil habitanteso. Em meados de 1975, no início da ocupação da área – que era conhecida por suas praias e pela sua vila de pescadores – aconteceu a tragédia: um ônibus perdeu o controle ao subir na entrada do bairro e acabou esmagando as duas adolescentes contra o corrimão da ponte que existe lá.

Naquele dia, Lurdinha e Rosiane foram à praia junto com mais três amigas e uma criança. Quando estavam chegando para o passeio, o ônibus desgovernado as atropelou. O corpo de Rosiane foi arremessado para o rio que corre embaixo da ponte. O corpo de Lurdinha também caiu de uma altura de cerca de 20 metros mas sua cabeça foi decepada com a força do impacto com o coletivo. A cabeça ficou na calçada, sendo coberta por um véu branco por pessoas que passavam no local.

“Vi que a cabeça dela ficou em cima da ponte, e o corpo estava embaixo no rio ainda se tremendo”, conta Vilma Costa, vizinha das vítimas e moradora do bairro, que na época presenciou o acidente. “É de arrepiar: todas as vezes que passo pela ponte ao voltar do trabalho sinto uma energia diferente”, afirma Jorge que é morador da área e passa habitualmente pelo local à noite. Ele diz ter muito medo e lamentou não existir outra opção de rota para chegar em casa.

Contado por Gabriel Inácio da Costa