Adeus, Carminha

Adeus, Carminha

Sentado à mesa da cozinha, fixou o olhar na escuridão do pouco de café que contrastava com o branco da xícara velha. O café que ele fazia não prestava. Ficava com um gosto de meia puída tirada do fundo da gaveta. Carmem sabia fazer. Parece que ela esquentava o pó numa frigideira por um ou dois minutos antes de colocar no coador. Quantas vezes a viu ao lado do fogão pintado de azul clarinho e todo riscado, de tocaia para não deixar quebrar a gema do ovo frito, alerta para tirar o bolo do forno na hora certa. Deitada, serena, imóvel dentro do caixão, já não era Carminha. Melhor que a enterraram logo e não insistiram nessa chatice de velório demorado demais.

Pensou em tirar o paletó escuro, teve preguiça. Afrouxou o nó gravata. Passou a mão no rosto e sentiu a barba arranhar. Não usou a gilete desde o dia em que a ambulância levou a mulher ao hospital. Foi rápido demais. Como é que um resfriado vence uma pessoa tão forte? Que pneumonia o quê, doutor! Quando a gente espirra e tosse assim, faz um lambedor, toma uma lapada de conhaque com limão. Mas meteram ela na UTI, olha no que deu. Agora parece que estava ouvindo Carminha mandar ele tirar a roupa com cheiro de cemitério, tomar um banho. Mas não tinha coragem pra nada. Quem ira cuidar dele?

Levantou-se e caminhou até o quarto dos fundos, há anos transformado em escritório. Era um refúgio desde que aceitara a aposentadoria. Estantes cheias de livros. Sobre a escrivaninha uma máquina de escrever, computador não entrava. No chão, pilhas de jornais amarelados, a vida dele resumida naquelas folhas mofadas. Por quantos anos fora editor do jornal?  Trinta e tantos. Jornaleco vespertino, diziam. Jornaleco, mas vendia. O patrão nunca se queixou. E vendia porque divertia as pessoas. Ninguém quer saber se a inflação aumentou, se tem guerra nas arábias. O povo gosta de mulher traindo marido, facada no bucho depois do baile de carnaval, gosta de jogo de bola, de foto de boazuda de biquini. Gosta de folhetim, história mentirosa. Os repórteres de hoje mentem pouco, falava Nelson Rodrigues.

Não tinha nada demais numa mentirinha, quase verdade, como a reportagem que o deixou famoso. Estava há dois anos na redação, meio escondido, misturado à equipe da editoria de polícia do jornal. Apreciava o assunto, mas fazer materinha de assalto em loja no Centro e atropelamento de ciclista em rodovia não dava primeira página.  Cobrindo o enterro de uma dondoca, dessas de coluna social, que caiu no poço do elevador de um edifício de luxo, viu o coveiro o abrir um sorriso amigável.

– O moço é repórter, né? Tenho uma história quente pra você. Já soube que uma galega malassombra aqui no Santo Amaro?

Não existe silêncio maior do que num cemitério à noite. No Santo Amaro, nem se ouve o roçar das folhas das árvores maiores porque a noite quente e sem vento do Recife não deixa. É nessa hora que a loira aparece. Cheia de curvas, seios quase pulando do decote no vestido encarnado e curto. Os pés muito brancos, de unhas pintadas, enfiados em sandálias de salto alto que fazem aquele barulhinho seco quando batem contra a calçada em frente à necrópole. Quando algum desavisado se aproxima, ela o chama com um psiu, uma piscadela. Os que correspondem ganham carícias, abraços e beijos de lábios gelados. São convidados para um passeio no cemitério coberto de sombras. A sedutora os mostra o jazigo de mármore rachado e enegrecido pelo limo, o lugar onde ela mora. Logo em seguida solta uma gargalhada de bruxa e se transforma em caveira. Quando não desmaia, o candidato a namorado de alma penada urina nas calças.

Juntou outras histórias sobre a tal assombração. Depoimentos anônimos de supostas testemunhas apavoradas. Para compor a primeira reportagem, acrescentou unas gotas de ficção. Entregou o texto ao editor com uma sugestão de manchete: Fantasma de loira causa terror. Foi parar na capa do jornal. Vieram mais reportagens sobre aparições e ela passou a ser conhecida como a Galega de Santo Amaro. A cada semana, surgiam novos casos de marmanjos atordoados pelo encontro com a moça misteriosa. Motoristas e cobradores de ônibus eram o alvo preferido, pois a garagem dos coletivos movidos a energia elétrica ficava bem em frente ao cemitério.

A Galega era vista no galpão, a paquerar os condutores que chegavam no fim do expediente a bordo dos bacuraus. Mas outros profissionais se viram em apuros. Vigias noturnos, enfermeiros do Hospital Oswaldo Cruz, policiais que faziam rondas em viaturas. As rádios entraram na onda e o espectro sedutor se tornou figuram constante no noticiário policial. Mas só ele, o reporterzinho da editoria de polícia, era capaz de revelar as façanhas macabras da personagem.  Com algumas palavras bem arrumadas para fazer o suspense, ele criou um mito. Agora, a cidade tinha medo da Galega de Santo Amaro, que também se fez notar nos cemitérios de Casa Amarela e da Várzea. E ele passou assinar artigos sobre outras criaturas sinistras. Papa-fico sequestra crianças. Lobisomem ataca mulheres. Com o sucesso pôde encarar o patrão.

– Faço pro senhor um jornal só desses assuntos escandalosos. Boto ainda sangue, sexo e futebol. Vai chover anunciante.

Ganhou o cargo de editor-executivo de um novo tablóide. Com o aumento de salário, comprou uma casa para viver com Carmem, de quem já era noivo. Mas consideravam a redação a sua residência. Só de madrugada chegava para ver Carminha, que sempre estava acordada, na frente do fogão azul, preparando alguma coisa para ele comer. Foram décadas nessa rotina e poucos momentos de verdadeira convivência. Talvez por isso nunca tiveram filhos.

Era uma tarde cinzenta quando o patrão o chamou para uma conversa. O tablóide já não vendia tanto, as senhoras se chocavam com os seios da chacrete na primeira página, aquela história do nascimento de um menino-demônio fora demais, o interesse do leitor mudou com a abertura política, blá, blá,blá. Recebeu uma gorda indenização, deu entrada na aposentadoria e decidiu viver em paz.

No escritório de casa pretendia escrever livros de mistério. Descobriu que não sabia usar a máquina longe do tumulto da redação. Do pijama fez uniforme. De manhã, lia os jornais com os óculos na ponta do nariz. Matérias burocráticas, sem graça. Carminha colocava os comprimidos do dia no console ao lado da cadeira de balanço, para ele tomar depois de passar a vista nas páginas. Em seguida ela o obrigava a sair para caminhar, pois era bom para o coração e para desentrevar as pernas. Quando voltava era tomar banho e almoçar. Feijão, arroz, bife à milanesa, salada, simples e gostoso.

Um dia Carminha espirrou, tossiu, teve febre. Não sabia como tratá-la. Não sabia nem fazer uma gemada para ela tomar. Duas semanas depois, chamou a ambulância. O médico do hospital balançou a cabeça quando disse ela deveria ter sido trazida antes. No enterro, as duas cunhadas não deram pêsames a ele. Cabeça dura, não cuidou da esposa, agora vai penar sozinho, castigo.

No escritório, debruçado sobre a máquina de escrever, chorou pela primeira vez. Segurou um soluço ao ouvir que alguém abrira a porta da frente bem devagar. E havia deixado a porta destrancada? Ficou sem ar depois do calafrio que arrepiou todos os pelos do corpo. Quem entrou na casa? Escutou o barulho seco de sandálias de salto alto batendo nos tacos do chão do corredor, passos lentos e compassados. Sentiu o ambiente ficar frio. O coração pulava na caixa do peito. Cheirou no ar um perfume forte e adocicado. Quem estava ali? A mulher de pernas longas, vestido encarnado curto, entrou no cômodo. Os cabelos eram dourados. O sorriso era de maldade ou piedade?

– Vim para morar aqui. Alguém precisa cuidar de você.

***


Autor: Roberto Beltrão. Ilustrador: Arnaldo Luiz.

Roberto Beltrão é jornalista. Há mais de quinze anos, pesquisa o rico imaginário pernambucano, com seus singulares mitos e lendas. Também produz contos no campo da literatura fantástica. Faz parte do quadro de fundadores do site O Recife Assombrado, do qual é um dos editores. Organizou as coletâneas “Histórias Medonhas d’O Recife Assombrado” e “Malassombramentos: os arquivos secretos d’O Recife Assombrado”. Escreveu “Estranhos Mistérios d’O Recife Assombrado”.

Arnaldo Luiz é um dos mais experientes quadrinistas do Brasil. É integrante e fundador da P.A.D.A. (Produtora Artística de Desenhistas Associados), organização recifense de artistas de Quadrinhos.


Ilustrações e textos cedidos para a publicação no site O Recife Assombrado são de propriedade de seus respectivos autores. Está terminantemente proibida a reprodução total ou parcial dos referidos trabalhos sem a devida autorização.