O Despertar

O_Despertar_menor

“E se você olhar longamente para o abismo, o abismo também olha para dentro de você.”

Nietzsche

Sentia a areia fina sob meus pés descalços. Havia árvores ao meu redor, lançando sombras retorcidas aos meus pés, como que tentando agarrá-los, prendê-los ao chão. Olhei à minha volta lentamente, tentando absorver em uma única e profunda respiração o local onde eu me encontrava. Meus ouvidos captaram um som distante, ritmado, um vai-e-vem constante que me avisava que o mar estava perto. Às minhas costas, as árvores se aproximavam umas das outras, formando uma apertada ciranda de galhos, como que a proteger algo sagrado, um conhecimento tão terrível que apenas aquelas guardiãs mudas e eternas poderiam ousar fazê-lo. Súbito, senti que era observado.

Havia olhos acompanhando meus movimentos. Vários deles, seguindo meus passos, meus gestos, marcando o ritmo da minha respiração, que se acelerava cada vez mais. Minhas pernas, pesadas de medo, não obedeciam nem aos meus comandos, nem às minhas súplicas. Senti um movimento com o canto do olho e virei-me lentamente nessa direção. Havia uma criança ali. Tinha, assim como eu, os pés descalços, os dedos infantis deixando leves rastros na areia. Os cabelos eram longos, escuros e cacheados, emoldurando um rosto jovem demais para que se definisse com segurança seu sexo. Olhava diretamente nos meus olhos, enquanto se aproximava vagarosamente. Senti que outras crianças chegavam mais perto, deixando as sombras das árvores, vindas de todas as direções. Seus grandes olhos negros jamais deixavam os meus e pareciam roubar a voz da minha garganta, que não produzia som algum. Chegou mais perto, permanecendo a poucos passos de mim. Estendeu sua pequena mão, alva, quase translúcida, em direção ao meu rosto. Seus lábios se abriram e foi então que eu ouvi.

O som era como o guinchar de algum animal ferido, estridente, distorcido, metálico. Olhei para aquela estranha criatura à minha frente, sem compreender, e percebi que não era dela que partia aquele terrível ruído. A criança arregalou seus olhos escuros e pude ver o medo refletido neles. Mais um guinchar vindo da floresta as minhas costas, dessa vez mais perto, e um som como grandes árvores tombando lentamente, resistindo em se entregar ao solo que é tanto sua casa quanto seu carcereiro. Senti que o chão estremecia em um ritmo cadenciado, moroso e cada vez mais próximo. Percebi as sombras se adensando ao meu redor, não exatamente como se o sol se pusesse repentinamente, mas como se algo, vindo da floresta, fizesse com que a luz do dia se afastasse, fugisse, nos abandonando a uma noite não natural, povoada de coisas incompreensíveis e terríveis. Súbito, a criança agarrou minha mão com dedos que pareciam feitos de gelo. Senti que meus membros inferiores voltavam à vida através daquele toque álgido e eu pude acompanhar aquele ser estranhamente infantil, que tentava freneticamente me afastar daquilo que estava vindo pela floresta.

O som novamente, como o grito de dor de um deus assassinado por suas criaturas, crescendo cada vez mais, dilacerando meus tímpanos, buscando meu coração. Naquela estranha penumbra, podia discernir vultos pálidos correndo por entre as árvores. Eu me movimentava cegamente, sem saber para onde ir e do que eu fugia, sentindo a vibração atrás de mim, escutando o barulho horripilante de árvores sendo derrubadas e arrancadas do solo. A algazarra era agora ensurdecedora, tão próxima que parecia nos envolver completamente, abafando o ruído das ondas distantes. Paramos em frente a uma árvore alta, antiga, com vários galhos grossos se projetando do seu tronco retorcido. Subimos. A vibração agora fazia com que o chão tremesse, os galhos balançassem, a árvore inteira ameaçasse ser atirada por terra, enquanto subíamos sem parar. Exausto, sentei-me em um galho, oculto por uma densa folhagem e coloquei os dedos nos ouvidos, tentando isolar aquele som infernal, cerrando os olhos e sentindo a vibração atingir seu ápice, quase me derrubando em sua violência. Havia chegado.

Súbito, apenas o silêncio. O único som era da minha pulsação latejando em meus tímpanos e a minha respiração ofegante. Lentamente, retirei os dedos dos ouvidos e abri os olhos. A criança que me havia guiado até ali estava em um outro galho, mais baixo. Ela tinha uma expressão de terror inimaginável em seu rosto andrógino, mal parecendo capaz de respirar. Meu coração bateu furiosamente e meu cérebro gritava para que eu fugisse, corresse, abandonasse tudo, morresse, qualquer coisa, menos permanecer naquele lugar. Segui a direção do seu olhar e foi apenas então que eu vi.

Entre árvores caídas e galhos partidos, eu pude enxergar o primeiro deles. Havia outros, parados em cada um dos lados do que estava mais próximo. Havia algo perturbadoramente familiar em suas silhuetas, como um terror antigo, jamais esquecido, que desperta com o correr dos anos, selvagem, incompreensível. O primeiro deles deu um passo para frente, em um movimento mecânico, lento, não natural, depois imitado pelos companheiros. Eram mais altos que as árvores e tinham o copo volumoso coberto por um pelo curto, castanho claro. Mais um passo, custoso, deliberado, fazendo o chão tremer e os galhos das árvores balançarem suavemente. Tinham orelhas grandes, projetando-se do alto de suas cabeças arredondadas. Estas se mexiam muito lentamente para a esquerda e para a direita, com um estranho zumbido, como que buscando algo ou alguém. Mais um passo. Agora eu podia ver claramente o que eram.

Memórias da minha infância fluíram até minha mente. Eu já os tinha visto antes, muitas e muitas vezes. Reconheci o focinho curto, imóvel e pálido. Os olhos eram dois poços negros, nada refletindo. Eram ursos, como os de pelúcia com os quais as crianças costumam brincar, conversar, confiar segredos, levar para as suas camas antes de dormir. Mas tudo naquelas criaturas parecia errado. O tamanho absurdo, os movimentos lentos, artificiais, a expressão vazia, os olhos mortos, as mãos peludas terminando em garras. Garras. Ao olhar para elas senti que meu corpo tremia incontrolavelmente e que o bater do meu coração seria capaz de denunciar minha presença. Os ursos seguiram em seus passos lentos, as cabeças agora fixadas em um ponto à frente, fazendo o solo estremecer à sua passagem. O primeiro deles seguiu na dianteira, acompanhado pelo que se encontrava a sua direita. O da esquerda, mais próximo á arvore que servia de refúgio para mim e para a criança, continuou caminhando, parando subitamente ao alcançar nossa posição.

Os outros ursos, silenciosamente, também se detiveram em seu percurso. Estava bem próximo de nós agora, ainda voltado para algum ponto onde deveria estar o mar. Podia sentir uma vibração profunda, grave, que parecia emanar do corpo da criatu