Navio Fantasma no São Francisco

Durante muitos anos, a maneira mais confortável e segura de navegar nas águas profundas do Rio São Francisco era pegar um barco a vapor. Falamos uma de embarcação grande, capaz de carregar passageiros e mercadorias. O Vapor Saldanha Marinho, popularmente chamado de “Vaporzinho”, foi o pioneiro nessa categoria a vencer os percursos do Velho Chico. A primeira viagem dele foi em janeiro de 1871. Uma fornalha alimentada por lenha gerava a energia fazia girar a roda que impulsionava o barco. Ao longo dos anos, inúmeras vezes saiu de Pirapora, em Minas Gerais, passando por Juazeiro da Bahia e por Petrolina, em Pernambuco. Só foi “aposentado” em 1980, e depois virou atração turística. Foi colocado na terra, fincando às margens do rio, lá em Juazeiro.

Mas conta a lenda que um Vaporzinho fantasma ainda é visto durante a noite singrando lentamente São Francisco.  Dizem que ele aparece de repente, todo iluminado, para deixar de boca aberta quem está nas margens. É uma visão mais nostálgica do que assustadora, lembrança espectral de épocas passadas e românticas.

Mas quando a testemunha esfrega os olhos para enxergar direito a miragem, o barco desaparece no ar, some sem deixar vestígio. Nesse instante, garantem os presenciaram esse alumbramento, soa o longo e melancólico apito do antigo vapor. Todos que dizem ter visto a embarcação assombrada ficam querendo ouvir novamente o misterioso assovio.