O Padre Sem Cabeça da Mirueira

Este relato foi publicado originalmente no fazine d´O Recife Assombrado, lançado em 1993.

“De um pequeno povoado na periferia da vizinha cidade de Paulista, chegou ao nosso conhecimento histórias sobre um fenômeno deveras assustador. A localidade da Mirueira, onde existe o maior hospital para portadores de hanseníase da Região Metropolitana, tem também uma população de pacatas famílias trabalhadoras.

Mas, durante décadas a fio, uma estranha aparição tem tirado a tranquilidade dos moradores que, principalmente depois das doze badaladas, estão sujeitos a um encontro com a seguinte figura: pés calçados em sandálias de couro, uma longa batina preta, mãos brancas como cera; mas, sobre os ombros – o mais apavorante – nenhuma cabeça…”

“O único meio de chegar no vilarejo é subir uma ladeira íngreme, toscamente pavimentada, margeada pela chamada “Mata do Frio”, uma úmida e escura floresta formada por altíssimos eucalíptos. É neste cenário lúgubre que o terrível fantasma costuma aparecer para fazer gelar o sangue dos viventes. Quando o vento uiva sobre Mirueira, fazendo a copa das árvores balançar, os habitantes de lá se encolhem em suas casas temendo a apavorante visão do PADRE SEM CABEÇA!.”

“E ninguém conhece a origem dessa sinistra aparição…”